DIÁLOGOS E  AÇÃO DRAMÁTICA

Outros erros comuns ao se escrever diálogos ocorrem pelo fato do autor não compreender a relação dos diálogos e ação dramática que está criando.

Se compararmos com os erros cometidos pela falta de conhecimento do tema abordado, podemos dizer que erros ao redigir diálogos e a ação dramática são  muito mais complexos. O primeiro pode ser superado por meio de leitura, estudo  e pesquisa, enquanto para superar a falta de compreensão  da ação dramática exige inteligência, talento e criatividade do autor.

A AÇÃO DRAMÁTICA

AO lidar com diálogos e ação dramática , leia William Shakespeare, que continua sendo uma das maiores referencias de erudição na redação de textos teatrais.
Alan Cumming interpreta todos os personagens de Macbeth , de William Shakespeare no Tramway, Glasgow.

Se você já leu os artigos Antes de Começar a Escrever e Como Escrever uma Peça Teatral, você está bem familiarizado com os processo criativos e diversas terminologias dessa arte. Se não leu, esse artigo aqui pode não ser muito útil, a menos que você já seja um autor ou diretor experiente.

Esse artigo não pretende ensinar a escrever diálogos, para isso leia Como Escrever Diálogos, vamos aqui exemplificar erros. Mas vale lembrar que a Ação Dramática não é a mesma coisa que ação no senso comum. Ação nesse sentido seria    fazer algo, movimentar-se ou realizar algo. Já A Ação Dramática é o que impulsiona sua história, sua cena, seu espetáculo e motiva seus personagens.

Como sabemos o teatro conta algo através da palavra, dos diálogos (ou de sua negação, leia Teatro Pós Dramático). Já a literatura  descreve as ações e as situações, enquanto o cinema   utiliza imagens. Assim podemos afirmar que a ação dramática se fundamenta na palavra, quase sempre por meio de diálogos, ou monólogo. leia Para quem Fala o Diálogo.

O que se diz não é o que se quer ou pensa, mas o que não evitou de dizer.

ANALISANDO O TEXTO MODELO

Vamos reler o diálogo da Parte I desse artigo e analisar a relação diálogos e  a Ação Dramática. Se não leu a Parte I esse artigo pode não fazer muito sentido.

Diretor Pedro, você está atrasado! Onde você estava? Poxa! É a noite de estreia! Sabe há quantos meses estamos ensaiando para apresentar "O Danúbio Azul"? 
Pedro Fica calmo. Eu estou bem. Só fui dar uma voltinha. Já estão todos prontos? Os cantores, os instrumentos?¹ 
Diretor  Sim. Os coristas² já estão a postos, os instrumentos já estão no palco³, os instrumentistas4 estão no camarim5 só esperando você chegar. Mas eu acho que você não está bem. 
Pedro Deixa de bobagem. Claro que estou bem. Por que você tá falando isso? 
Diretor Você não parece bem. Eu acho que você bebeu. Pedro Que absurdo! Por que eu beberia antes da ir reger? Claro que não. (ri). Fique tranquilo. EU tenho responsabilidade. (deixa cair a garrafinha de Whisky que se quebra no chão) Diretor E estou indo agora lá no palco avisar que o concerto está cancelado.

 

Se corrigirmos os erros relacionados ao conhecimento do tema e de pesquisa ele ficará assim:

Diretor Pedro, você está atrasado! Onde você estava? Poxa! É a noite de estreia! Sabe há quantos meses estamos ensaiando para apresentar "O Danúbio Azul"? 
Pedro Fica calmo. Eu estou bem. Só fui dar uma voltinha. Já estão todos prontos? 
Diretor  Sim. Mas eu acho que você não está bem. 
Pedro Deixa de bobagem. Claro que estou bem. Por que você tá falando isso? 
Diretor Você não parece bem. Eu acho que você bebeu. Pedro Que absurdo! Por que eu beberia antes da ir reger? Claro que não. (ri). Fique tranquilo. EU tenho responsabilidade. (deixa cair a garrafinha de Whisky que se quebra no chão) Diretor E estou indo agora lá no palco avisar que o concerto está cancelado.

Os demais erros são de ordem da criatividade, inteligencia e visão de mundo, por isso são subjetivos. Nem todos os leitores irão concordar, mas é assim que escrevemos diálogos: escrevendo o que acreditamos ser o melhor e depois questionando-o e alterando-o.

Marquei os erros de diálogos e ação dramática em amarelo.

Diretor Pedro, você está atrasado1! Onde você estava? Poxa! É a noite de estreia2! Sabe há quantos meses estamos ensaiando para apresentar "O Danúbio Azul"3? 
Pedro Fica calmo. Eu estou bem. Só fui dar uma voltinha4. Já estão todos prontos? 
Diretor  Sim. Mas eu acho que você não está bem. 
Pedro Deixa de bobagem. Claro que estou bem. Por que você tá falando isso?5 
Diretor Você não parece bem.6 Eu acho que você bebeu.7
Pedro Que absurdo! Por que eu beberia antes da ir reger? Claro que não.8 (ri). Fique tranquilo. EU tenho responsabilidade.9 (deixa cair a garrafinha de Whisky que se quebra no chão) 
Diretor E estou indo agora lá no palco avisar que o concerto está cancelado10.

 

Erro 1: “Você está atrasado”

Essa frase explica o que acontece. Seria necessário um bom motivo para fazer seu personagem falar exatamente o que a ação física ou a situação já diz. Supondo que o Diretor seja um homem severo e sarcástico (lembre que seus personagens precisam ser muito bem definidos antes de começar a escrever a pela), ele provavelmente diria algo como: “Ei-lo” e completar com: “Quase a tempo para o 3o Movimento” – se refere ao movimento final de uma sinfonia”.

Erro 2: “Poxa! É a noite de estreia”

Para quem ele está falando isso? Certamente não para o maestro. Está falando para a platéia. Ah! Erro severo:  sacrificar a integridade do diálogo para reparar algo que não ficou claro na história. Melhore a estrutura, não sacrifique o QI do personagem.

Mas se não houve como esclarecer por outra maneira que essa é a noite de estréia e ela for importante para o resto da história, retire a intenção didática da frase. Por exemplo:

“Parou para celebrar a noite de estréia, maestro?”. Dessa maneira revela algo e ao mesmo tempo provoca. A provocação é uma boa força para conduzir a Ação Dramática.

Erro 3: “Sabe há quantos meses estamos ensaiando para apresentar ‘O Danúbio Azul'”

Fica evidente que o nome da obra é irrelevante além do que a pergunta cai no mesmo erro anterior. O maestro não sabe há quanto tempo estão ensaiando e o nome da obra. Esse é o erro do “falar m vão”, falatório sem necessidade. Deve ser eliminado.

Erro 4: “Só fui dar uma voltinha”

Os maestros, por exigência da profissão, são pessoas decididas, líderes e objetivas. Os músicos de orquestra são talentosos críticos e desafiam o maestro a cada compasso. O texto marcado, já fraco em si, entrou como resposta à uma bronca; justificando como uma criança o faria. O erro foi não conhecer a natureza do seu personagem. Deve ser eliminado.

Erro 5: “Claro que estou bem. Por que você tá falando isso?”

Muito parecido com o erro anterior, retorna a pergunta óbvia ao outro que já perguntou. Ora, não é uma radio novela. A platéia os vê. Os atores já contaram, sem palavras, os porquês. Erro dos diálogos em circulo vicioso. Não conduzem a história pra frente e tornam a peça massante. Deve ser eliminado.

Erro 6: “Você não parece bem”

Também muito semelhante à natureza do erro anterior, mas aqui, onde uma pergunta ajudaria a mover a cena, veio uma outra explicação. Não pergunte o que tanto a platéia quanto o outro personagem sabem. Se for o caso, pergunte outra coisa e transforme a pergunta no que “cabe” na cena.

Por exemplo. O Diretor pode sentir que houve menosprezo e arrogância do maestro ao usar a palavra bobagem. Sentir que menosprezou o seu trabalho como diretor, a plateia e os demais músicos. “Você se acho o acima de todos?”… mas perguntado dessa forma iniciaria uma outra cena, pois revela demais o que o personagem quer esconder naquele momento. O sobra pode ser “Você acha isso tudo uma bobagem?”

Erro 7: “Eu acho que você bebeu”

A platéia, o diretor e o próprio maestro, evidentemente, sabe que ele bebeu. Essa já é a situação.  O que significa essa pergunta? Nada. A menos que a cena fosse cômica e o   maestro pudesse dizer: “Não, Sherlock, cheguei rolando dentro de um barril de Whisky”, mas essa atitude não ajudaria a Ação Dramática proposta. Para mudar o rumo do diálogo, assim tão radicalmente, considere mudar a estrutura, primeiro.

Consideremos que o que o Diretor quer saber é se ele está em condições de reger. Ele provavelmente o observaria enquanto o maestro se veste e perguntaria: “Vai vomitar e cair encima do primeiro violino?”. Além de contribuir para a afirmação do caráter sarcástico do diretor, mostra o conhecimento, um cotidiano, pois o primeiro violino é o aliado do maestro e fica à sua esquerda, na primeira fileira de músicos.

Erro 8: “Por que eu beberia antes de reger. Claro que não. (ri)”

Aqui é só falta de conhecimento sobre o personagem. A pergunta é retórica e vazia e ele mesmo responde e ri. . Mas o personagem é inteligente e soberano. Isso causa um tédio enorme na platéia. Não conseguir encontrar coerência entre o que vê e o que os personagens dizem.  Há amargura e ressentimento na cena. Deixe o personagem falar conforme sua natureza: “Jamais! (graceja), se eu poso me virar e vomitar na plateia.”

Erro 9:”Eu tenho responsabilidade”

Novamente explicando o que dúvida que a plateia possa ter compreendido analisando a situação e a vida dos personagens.  Apenas retire.

Erro 10: “E estou indo agora lá no palco avisar que o concerto está cancelado

E por fim, os anúncios. É impossível determinar quando é certo ou errado fazer anúncios, pois cada estrutura dramática possui um conjunto de personagens e cada um deles com uma vida subjetiva, uma que se manifesta em relação aos demais e uma outra que é a sua representação (recorte) no momento do qual se conta a história. Mas aconselho seriamente a sempre reler e verificar se os anúncios estão cheios de informações desnecessárias, pois se estiver, estará vazio de conteúdo dramático e sem força.

Nessa frase o diretor anuncia o que fará, como que pedindo para ser impedido. Diz quando e onde e deu pouco chance para o ator explorar sua personalidade.

“Bravo, maestro. Concerto cancelado. (sai)”.

COMO FICA O DIÁLOGO

Depois de corrigido, buscando trazer coerência entre  Diálogos e Ação Dramática, nosso exemplo fica assim:

Diretor Ei-lo ! Quase a tempo para o 3o Movimento! 
Pedro Fica calmo. Eu estou bem. Já estão todos prontos?  
Diretor  Sim. Mas eu acho que você não está bem. 
Pedro Deixa de bobagem.
Diretor Você acha isso uma bobagem? (Observa o maestro que se veste) Vai vomitar e cair encima do primeiro violino?
Pedro Jamais! (graceja fazendo uma mímica de si mesmo), se eu posso me virar e vomitar na plateia. (ri). Fique tranquilo. (deixa cair a garrafinha de Whisky que se quebra no chão) 
Diretor Bravo, maestro. Concerto cancelado. (sai)

Leitura recomendada:

FornPeça ou autor
Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this